quarta-feira, 24 novembro 2010 02:00

II Seminário de Lexicologia - Entrevista ao professor Raul Rosado Fernandes

Professor Rosado Fernandes defende a aproximação das academias
à sociedade civil, bem como a sua internacionalização

AGLP / PGL - Continuamos com a série de entrevistas a participantes no II Seminário de Lexicologia , realizado pela AGLP o dia 25 de setembro de 2010 em Santiago de Compostela. Após a entrevista ao catedrático Montero Santalha, agora é a vez do professor Raul Rosado Fernandes, académico efectivo da Academia das Ciências de Lisboa (ACL).

O professor Raul Rosado Fernandes é professor catedrático jubilado do Departamento de Filologia Clássica da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, universidade de que foi Reitor entre 1979 e 1982, bem como Investigador do Centro de Estudos Clássicos daquela Faculdade, na área das Fontes Clássicas da Cultura Portuguesa. No II Seminário de Lexicologia da AGLP participou em representação da ACL.

Em resposta às perguntas do entrevistador Breogão Martínez Vila, do Portal Galego da Língua, começou indicando a necessidade de alargar o espaço das academias. “Têm de penetrar mais nos interesses da sociedade civil, têm de se ligar mais à evolução da tecnologia, inclusive para encontrar um vocabulário que seja aceitável para as invenções tecnológicas...” Frisou que a ACL vai ter “uma espécie de universidade para seniores”, para acrescentar o contacto com a sociedade civil, e salientou a necessidade de internacionalização das Academias.

Entre as tarefas que o incumbem na tarefa académica, o professor Rosado Fernandes está ligado ao grupo de trabalho que está a fazer uma revisão do Dicionário da ACL. Já no terreno dos estudos clássicos, está interessado também em fazer uma comparação entre os cânticos homéricos e os servo-croatas e albaneses, ligando isso a o escritor albanês Ismail Kadare.

Relativamente ao papel político da língua portuguesa, entende que pode entrar como língua de trabalho em diversos organismos internacionais, o que precisará de muitas negociações. Neste terreno, o papel do Brasil poderá ser decisivo. Finalmente, relacionou a promoção da língua com a investigação e, por consequência, as patentes.

Ler 2404 vezes