×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 62

I Seminário de Lexicologia (11)

segunda-feira, 04 janeiro 2010 09:00

Vídeo-entrevista a João Malaca Casteleiro, da ACL

«A introdução do Léxico da Galiza no Vocabulário da Porto Editora
responde a um objetivo de representação global da língua portuguesa
»

O professor João Malaca Casteleiro encerra a série de 7 entrevistas a professores participantes no I Seminário de Lexicologia da AGLP, realizado em 5 de outubro no Centro Cultural da CaixaGalicia. Na sua intervenção, em Santiago de Compostela, apresentou o Vocabulário Ortográfico da Porto Editora, que inclui um contributo lexical galego de mais de 800 palavras.

Membro da Academia das Ciências de Lisboa desde 1979, de cujo Instituto de Lexicologia e Lexicografia foi presidente entre 1991 e 2008, conta entre os seus maiores contributos ter sido coordenador do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da ACL (2001) e responsável pela versão portuguesa do Dicionário Houaiss (2002). Atualmente está elaborando o Dicionário Ortográfico e de Pronúncias e o Dicionário do Português Medieval, em que colaboram as professoras Maria Francisca Xavier e Maria de Lourdes Crispim, da Universidade Nova de Lisboa.

Participou na delegação portuguesa ao Encontro de Unificação Ortográfica de 1986 na Academia Brasileira de Letras, como também na redação do Anteprojecto de Bases da Ortografia Unificada da Língua Portuguesa de 1988, assim como nos trabalhos que conduziram ao Acordo Ortográfico de 1990, assinado em 12 de outubro na Academia das Ciências de Lisboa. É um dos maiores defensores da aplicação do Acordo em Portugal, tendo-se destacado na comunicação social pela defesa da sua aplicação.

Léxico da Galiza

Na entrevista o professor Casteleiro afirma que a introdução do Léxico da Galiza no Vocabulário Ortográfico da Porto Editora «Corresponde a um objetivo de representação global da língua portuguesa».

«Reparem que a ABL tinha publicado já o Vocabulário Ortográfico, mais na perspetiva brasileira. Ora, a norma gráfica portuguesa era seguida pelos países africanos de língua oficial portuguesa, na Ásia, em Timor, na Região Administrativa Especial de Macau, e também noutras regiões, e concretamente aqui na Galiza, porque o Acordo foi também adotado e, durante as reuniões que se fizeram em Lisboa, como, aliás, já tinha acontecido em 1986 no Rio de Janeiro, houve uma representação da Galiza, como observadores. Portanto, nós registamos neste Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa que agora se publica pela Porto Editora os africanismos, e os asiaticismos que ocorrem na língua portuguesa e que já estavam, em grande medida, dicionarizados. Faltava aí o léxico da Galiza».

«Ora, acontece que esta ideia de a Galiza elaborar o seu léxico partiu de uma conversa que tivemos com membros da comissão que acompanhou o Acordo Ortográfico (a Conferência Internacional de 7 de abril de 2008, na Assembleia da República) e que era no sentido de dispormos de um repertório de termos, de palavras, de vocábulos próprios da Galiza que pudéssemos integrar no Vocabulário Ortográfico Unificado. E também eu, na altura, pensava na segunda edição do Dicionário da Academia».

Vocabulário técnico e científico

Afirma o professor que a publicação do Vocabulário da Porto Editora responde a uma necessidade do Acordo Ortográfico, e à de evitar que pudesse ser invocada, pelos seus  opositores, a inexistência de um texto desse teor editado em Portugal. Além disto, «o Acordo de 1990 tinha previsto a elaboração de um vocabulário comum unificado da língua portuguesa. Tinha mais como preocupação a unificação, tanto quanto possível, dos termos técnicos e científicos das várias ciências, e sobretudo dos que têm entrado na língua de há umas décadas para acá».

O professor Malaca manifesta-se de acordo com a iniciativa do ministro da Cultura do anterior governo português, Pinto Ribeiro, na necessidade de criar uma nova Academia que se dedique especificamente à Língua Portuguesa. «Não é uma academia contra ninguém, menos contra a ACL».

quarta-feira, 17 março 2010 22:21

Editado DVD do Seminário de Lexicologia da AGLP

Vídeo-resumo do I Seminário de Lexicologia

Já foi editado o DVD do Seminário de Lexicologia da Academia Galega da Língua Portuguesa. O evento, realizado em Santiago de Compostela em 5 de outubro de 2009, reuniu alguns dos mais importantes lexicólogos da língua portuguesa, por convite da Academia Galega da Língua Portuguesa.

O DVD consta de 4 discos com a gravação integral do evento mais 7 entrevistas, somando 5 horas e 20 minutos. Está a ser distribuído gratuitamente em bibliotecas e instituições culturais. O resumo, assim como as entrevistas, foram disponibilizados na internet.

PGL | AGLP - Evanildo Cavalcante Bechara, natural do Recife, ocupa a cadeira número 33 da Academia Brasileira de Letras, para a qual foi eleito em 2000. Como filólogo, é conhecida a sua edição das Investigações Filológicas de M. Said Ali. Como gramático é autor da muito divulgada Moderna Gramática Portuguesa, (37.ª edição, 1999), a Gramática Escolar da Língua Portuguesa (1.ª edição, 2001) e Lições de Português pela Análise Sintática (18.ª edição, 2004).

Na ABL é coordenador da Comissão de Lexicologia e Lexicografia, tendo apresentado a 5ª edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, em sessão interacadémica na Academia das Ciências de Lisboa, em abril de 2009, no mesmo evento em que o presidente da AGLP, Montero Santalha, apresentou o Léxico da Galiza.

Na entrevista, realizada o 5 de outubro de 2009, o professor explica a orientação da ABL no sentido de considerar, já no primeiro artigo da sua constituição, em 1897, o facto de a língua portuguesa não ser só do Brasil, «de modo que a identidade brasileira estava na literatura, enquanto a língua era um instrumento de comunicação, de realização profissional e artística comum a Portugal e ao Brasil».

À pergunta do entrevistador sobre a previsão da elaboração do Vocabulário Comum, o professor indica que «o texto do Acordo de 1990 não fala de um vocabulário da chamada língua primária. O que o texto diz é que, depois que os signatários do Acordo de 90 trabalharam na unificação da ortografia, que essa unificação, na medida do possível, e tão completa quanto possível, chegasse à unificação da nomenclatura técnica e científica. O vocabulário comum tem de ser o léxico comum a essas nações». «O Acordo Ortográfico de 1990 fala unicamente da unificação do significante». «Agora, o significado, este, será tarefa dos dicionários».

Quanto à possibilidade de uma maior unificação ortográfica, julga ser impossível. «Se nós optarmos por atender à pronúncia, uma língua pode admitir variantes. Então, assim como os portugueses pronunciam António, e no Brasil pronunciamos Antônio, ou essas duas formas continuarão a ser usadas e escritas diferentemente, ou então adotaremos o seguinte: que nesses casos dos paroxítonos com vogais tónicas nasais, não seja assinalado o timbre da vogal.»

Evanildo Bechara participou no Seminário de Lexicologia da AGLP, em 5 de outubro, com a comunicação «Passos na implantação do Acordo Ortográfico no Brasil».

PGL | AGLP - Nesta entrevista o Presidente da Comissão Executiva dos Colóquios da Lusofonia, Chrys Chrystello, dá mais detalhes da sua tarefa e do seu compromisso social. Uma circum-navegação que o levou de Portugal a Timor, Macau e Austrália, com regresso a Portugal, onde atualmente reside nos Açores.

Com o lema «Não prometemos, fazemos», os Colóquios, que se realizam desde 2001 e já chegaram a 12 edições, têm escolhido em sucessivos anos, temas de atualidade como a questão da língua mirandesa, o português em Timor, o Acordo Ortográfico ou o português da Galiza.

«Os colóquios da lusofonia são independentes, livres, admitem todos os temas, sem pressões de instituições ou governos». Assim define Chrys Chrystello esta iniciativa cultural que começou a realizar-se em 2001-2002 e continua todos os anos a levar escritores, professores e investigadores dos quatro continentes a Bragança (em outubro) e aos Açores (em abril). Neste sentido, afirma serem os Colóquios «os representantes da sociedade civil capaz e atuante».

O seu recente livro Chrónicaçores: Uma circum-navegação, foi descrito como um belo texto com os lados de um triângulo: Autobiografia, livro de aventuras e registo histórico. Pode o leitor aproximar-se dele com três perspetivas, comprovando ao mesmo tempo a intensidade vital associada à crítica social, a minuciosidade na descrição dos factos, e a análise dos diferentes tipos humanos. Disse o autor em 2006: «O único defeito de que não podem acusar-me é de ser politicamente correto».

A dinâmica dos Colóquios

O balanço dos últimos anos é, para o presidente dos Colóquios da Lusofonia, enormemente satisfatório, pondo como exemplo ter ajudado à criação da AGLP, a elaboração em curso da Diciopédia Contrastiva da Língua Portuguesa, com 36 especialistas a trabalhar na sua elaboração, a criação dos Estudos Açorianos que serão ministrados à distância na Universidade do Sul de Santa Catarina, e em modo presencial na Universidade do Minho. Entre os projetos em curso, o Museu da Língua Portuguesa em Bragança, previsto para começar a funcionar em 2011, e a promoção de uma nova Academia da Língua em Portugal, que considera absolutamente necessária.

O Encontro Açoriano da Lusofonia terá lugar em 2010 em Florianópolis, Santa Catarina, tendo previsto ir em anos seguintes a Maputo e Macau, manifestando também a sua vontade de se realizar uma edição na Galiza.

Política de língua

Entende o professor Chrystello que, nestes temas, o governo português não tem uma perspetiva histórica. Precisa-se a criação de uma política de longo prazo, independente de governos, para que a língua seja preservada, atuando lá onde houver falantes de português. Além disto, considera que o Acordo Ortográfico é «um ótimo instrumento» para uma política de língua de futuro, afirmando a facilidade para realizar as adaptações às novas regras.

PGL | AGLP - Artur Anselmo é Presidente da Comissão de Lexicologia e Lexicografia da Academia das Ciências de Lisboa. Alto-minhoto de família originária da Galiza, e alto-alentejano pelo lado paterno, tem lecionado Língua, Literatura e Cultura Portuguesa, assim como Cultura Clássica, Semiologia e História do Livro, em universidades da Europa e do Brasil. Uma das suas obras mais conhecidas As Origens da Imprensa em Portugal (1981).

Nesta entrevista realizada por Diego Bernal, do Portal Galego da Língua, salienta a posição da ACL entre as mais antigas academias europeias (1779), tendo o papel mais importante na preservação da língua. Inclui as classes de Ciências e Letras, sendo instituição de referência que o governo deve consultar nos assuntos da língua. A presidência da ACL corresponde anualmente, de forma alternativa, aos presidentes das classes de ciências e de letras.

A Classe de Letras da ACL

A função principal da Classe de Letras é a edição de glossários, vocabulários e dicionários que permitam atualizar constantemente a língua. Diz Anselmo que «o trabalho do lexicógrafo não se restringe à simples indicação descritiva das palavras: ele tem de registar também as alterações de sentido». Deve atualizar-se constantemente a língua, com contribuições de uso generalizado e corrente que mereçam ser introduzidos nos dicionários.

Neste sentido, indicou que a terceira edição do Vocabulário Ortográfico da ACL está prevista para breve, e terá entre 60 e 70 mil entradas, dando continuidade à tradição da academia portuguesa. Regista «as palavras de uso corrente e generalizado, nem arcaísmos nem neologismos que tanto entram na língua, como saem».

Continua o professor indicando que «a língua não é de ninguém, é de todos». «Todo o que seja visões estáticas, tentar conter a língua em barreiras, prisões... é uma atitude anticientífica».

A posição dominante do inglês

Lamentou o professor a posição dominante do inglês, como segunda edição do que aconteceu com o latim dos Romanos. Rejeita «a ideia da imposição de uma língua única ao mundo», lamentando o declínio de certas línguas da Europa, como o francês. Considera que o inglês está a ser usado, em determinados âmbitos, de forma desnecessária, o que resulta num empobrecimento.

segunda-feira, 07 dezembro 2009 09:00

Vídeo-entrevista a Carlos Reis, reitor da UAb

«A Universidade Aberta está interessada em criar na Galiza
um ou dois Centros Locais de Aprendizagem»

PGL | AGLP - O Prof. Carlos Reis, Reitor da Universidade Aberta, é um conhecido divulgador da obra de Eça de Queirós, tendo realizado edições críticas de várias das suas obras, como O Crime do Padre Amaro. Como especialista participou, o dia 6 de outubro, no júri da tese de doutoramento que Joel Gomes apresentou no Paraninfo da Universidade de Santiago, sobre a obra do saudoso professor galego Ernesto Guerra da Cal. Precisamente, o professor nascido em Ferrol foi o seu mestre e mentor.

Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, ensaísta e correspondente da Real Academia Española, este professor nascido na Angra do Heroísmo, Açores, que foi Diretor da Biblioteca Nacional de Portugal e Presidente da Associação Internacional de Lusitanistas, é provavelmente mais conhecido na Galiza pela sua faceta na defesa e promoção da língua portuguesa. Foi muito comentada a sua intervenção na Conferência Internacional / Audição Parlamentar de 7 de abril de 2008, na Assembleia da República Portuguesa, em defesa do Acordo Ortográfico, frente à posição do eurodeputado Vasco Graça Moura, em nome dos contrários às novas regras da escrita. Foi no mesmo evento em que participaram o ex-presidente da AGAL, Alexandre Banhos, e o presidente da Associação Cultural Pró AGLP, Ângelo Cristóvão.

Na entrevista realizada por Alberto Pombo, do Portal Galego da Língua, o reitor começou explicando a função da Universidade Aberta como instituição pública do ensino a distância, orientada a um público adulto, que frequentemente procura uma requalificação profissional. Afirmou que o processo de aprendizagem ao longo da vida está adquirindo uma maior importância, uma vez que «o ciclo dos saberes, hoje, é muito rápido, e o ciclo da vida ativa é mais longo do que era no passado». Justamente é a esta parcela que se destinam os esforços da Universidade Aberta.

Colaboração AGLP - UAb

Relativamente ao Protocolo de Colaboração entre a AGLP e a Universidade Aberta, assinado o mesmo dia 5 de outubro no início do Seminário de Lexicologia, afirmou que «A língua portuguesa é uma língua acessível para praticamente qualquer galego e, portanto, nesse sentido, dada a facilidade de circulação dos diplomas... nós pensamos que era possível, e útil e pertinente, estendermos a nossa oferta pedagógica à Galiza», declarando a intenção de criar na Galiza um ou dois Centros Locais de Aprendizagem, «pequenas estruturas de apoio aos estudantes, presença da nossa oferta pedagógica, contacto com as populações, com as empresas, etc».

Continuou a sua exposição manifestando que «isto -e gostava de deixar bem clara esta posição- não representa da nossa parte, como universidade pública portuguesa, nem da minha parte como reitor, nenhuma espécie de posição antiespanhola. Esta é uma coisa que eu quero deixar claríssima». Lembrou neste sentido a sua dívida com o professor Guerra da Cal, que defendia a língua e cultura da Galiza, afirmando sempre que isso não significava uma posição contra a Espanha.

Política de Língua

Quanto à política de Língua do seu país, manteve que «A política de língua hoje em Portugal não pode ser a mesma que há 30 ou 35 anos». Devendo ter em conta a existência de 8 estados da CPLP, e ainda a Galiza, que «tem um papel importante a representar». Disse ainda que «a política de língua tem de ter em conta, antes de mais, a diversidade e um sentido estratégico de concertação». Salientou também «o papel de dinamizador de consensos que o Brasil pode desempenhar aqui».

Galiza e a CPLP

A respeito das possibilidades de a Galiza fazer parte da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, acreditou: «É aceitável pensar que um dia se encontrará a forma de reunir os equilíbrios para que, uma nação como a Galiza, que tem a sua cultura, a sua identidade, a sua paisagem, a sua gente, a sua língua, ainda com os debates que esta língua sempre provoca, um dia faça parte, realmente, da CPLP, no estatuto que se entender que é o mais adequado».

«A língua é um problema que não diz apenas a respeito dos governos,
é uma parcela do problema do património imaterial da humanidade»

PGL | AGLP - O professor Adriano Moreira, natural de Macedo, perto de Bragança, a cuja Biblioteca Municipal entregou este ano 10.000 exemplares do seu arquivo privado, é atualmente Presidente da Classe de Letras e Vice-Presidente da Academia das Ciências de Lisboa. Nesta qualidade, é o máximo responsável pelas decisões académicas portuguesas na questão da língua. Na entrevista respondeu as perguntas de Alberto Pombo, do Portal Galego da Língua, num intervalo do Seminário de Lexicologia da AGLP, realizado em Santiago de Compostela o dia 5 de outubro de 2009.

Para o professor, a questão da língua ultrapassa os Estados. A língua «é um problema que não diz apenas a respeito dos governos, é uma parcela do problema do património imaterial da humanidade».

Na conjugação entre «a palavra do poder e o poder da palavra», o que será presidente da Academia das Ciências de Lisboa em 2010 assinalou as duas dimensões em que cabe perspetivar a língua: por um lado a sociedade, por outro, os governos, correspondendo a cada um uma parcela de ação diferente.

Quanto à política de língua, o professor de origem transmontana salientou o papel da Universidade Aberta no plano internacional, e a função do Brasil como ator global. Afirmou que, neste momento, «cabe ao Brasil um papel extremamente importante na dinamização destes problemas», acreditando que terá um lugar no Conselho de Segurança da ONU.

Na questão do Vocabulário Ortográfico da Academia das Ciências de Lisboa, cuja edição será anunciada em breve, indicou que está prevista a elaboração de um Vocabulário Comum, depois de cada país ter editado os seus contributos, sendo que está em causa a intervenção dos governos nesta matéria.

«É preciso trabalharmos muito e sermos conscientes de que,
efetivamente, a situação é muito dramática»

PGL | AGLP - A Academia Galega da Língua Portuguesa e o Portal Galego da Língua, iniciam a emissão de 7 entrevistas a personalidades da Galiza, Portugal e Brasil, participantes no I Seminário de Lexicologia, realizado pela AGLP o dia 5 de outubro de 2009 em Santiago de Compostela.

Inicia-se esta série com o Presidente da Academia Galega, José-Martinho Montero Santalha, em resposta às perguntas do jornalista Diego Bernal, do PGL. Nas seguintes semanas serão emitidas as correspondentes aos professores Adriano Moreira, Artur Anselmo, Carlos Reis, Chrys Chrystello, Evanildo Bechara e João Malaca Casteleiro. Em breve, a Academia irá disponibilizar também o DVD com a gravação integral do Seminário.

Montero Santalha: «A Galiza tem de inventar uma nova maneira de estar presente na CPLP»

Na sua entrevista, o catedrático da Universidade de Vigo deu algumas explicações sobre a introdução do léxico da Galiza no Vocabulário Ortográfico Comum, indicando o exemplo de “neno”. No mesmo dia 5 de outubro, o professor Malaca Casteleiro apresentava no Seminário de Lexicologia o Vocabulário da Porto Editora, em que está incluído um contributo galego, 800 vocábulos de uso comum na Galiza.

Salientou a “situação verdadeiramente difícil” em que está o português na Galiza. “É verdade que tudo isso se pode ainda corrigir, retificar, mas é preciso trabalhar muito e ser conscientes de que, efetivamente, a situação é muito dramática”.

Quanto às publicações, Santalha mostrou o segundo número do Boletim da Academia, e deu a notícia da iminente edição do primeiro volume da Coleção de Clássicos Galegos: Cantares Galegos, de Rosalia de Castro, numa versão adaptada ao Acordo Ortográfico. Quanto a este texto normativo, disse que, da parte da AGLP “não duvidámos, desde o primeiro momento, em incorporar-nos a esse Acordo”.

Relativamente à CPLP, o professor Montero afirmou que, tendo em conta o facto de esse organismo internacional estar integrado por estados, “A Galiza tem de inventar uma nova maneira de estar presente”.

Porto EditoraPorto Editora publica Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, com 800 palavras do Léxico da Galiza

O Seminário de Lexicologia da AGLP foi o contexto em que o professor João Malaca Casteleiro apresentou o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Porto Editora, que inclui 800 palavras do léxico galego. Este contributo lexical da Galiza fora inicialmente apresentado pela Academia Galega da Língua Portuguesa na sede da Academia das Ciências de Lisboa, em sessão conjunta com a Academia Brasileira de Letras, em 14 de abril.

O Prof. Casteleiro, orientador do trabalho, salientou a qualidade da equipa lexicográfica da Porto Editora, coordenada pela prof.a Ana Salgado, com a colaboração da Profa. Sofia Rodrigues, ambas presentes no ato.

Com 180.000 entradas lexicais, 5.000 vocábulos do Brasil, bem como africanismos e asiaticismos, e 2.500 antropónimos, é o primeiro vocabulário ortográfico publicado em Portugal de conformidade com o Acordo Ortográfico.

Será posto à venda em todas as livrarias associadas à editora a partir do dia 14 de outubro. A apresentação terá lugar em Lisboa, no Auditório do Padrão dos Descobrimentos, o dia 21.

Por sua vez, o Professor Evanildo Bechara, coordenador da Comissão de Lexicologia e Lexicografia da Academia Brasileira de Letras, e autor de uma das melhores gramáticas da nossa língua, anunciou, na mesma sessão do Seminário de Lexicologia, a inclusão do léxico elaborado pela AGLP na próxima edição do Vocabulário Ortográfico dessa instituição.

Esta nova publicação, que poderá estar nas livrarias no início de 2010, terá um número de verbetes inferior aos 350.000 incluídos na 5ª edição, restringindo- se ao léxico mais frequente, o que permitirá obter maior difusão no grande público.

Na linha das declarações anteriores, o Professor Artur Anselmo indicou que, também, a Academia das Ciências de Lisboa irá incorporar o léxico elaborado pela AGLP na próxima edição do seu vocabulário, previsto para os próximos meses.

Anúncios dos professores João Malaca Casteleiro e Evanildo Bechara

Mais info:

UabO Seminário de Lexicologia da Academia Galega da Língua Portuguesa, que terá lugar o dia 5 de Outubro em Santiago de Compostela, será o contexto em que o Ex.mo Sr. Presidente da AGLP e o Reitor Magnífico da UAb assinem um Protocolo de Colaboração.

Os aspectos fundamentais do documento referem a investigação, a valorização da língua portuguesa, e a difusão da oferta académica da Universidade Aberta.

O Presidente da Academia Galega, Prof. Doutor Montero Santalha, catedrático da Universidade de Vigo, referiu que esta convénio vai contribuir a visibilizar a situação do português da Galiza, e facilitar o acesso dos estudantes galegos ao ensino superior, não presencial, na sua língua.

Pela sua parte, o Reitor da Universidade Aberta, Prof. Doutor Carlos Reis, analisou as vantagens do e-learning, em entrevista dada recentemente ao jornal País Económico. Carlos Reis referiu também a Aprendizagem ao Longo da Vida (ALV) como um dos actuais desafios e opção estratégica da UAb, que disponibiliza mais de 20 cursos de ALV neste ano lectivo. A esse respeito, considera que a Universidade tem sabido “tirar proveito das potencialidades técnicas que o Ensino a Distância (EaD) dispõe” para rentabilizar uma vertente de ensino vocacionada para “públicos dispersos adultos, já formados, necessitados de reconversão profissional, necessitados de actualização de aprendizagem”.

Mais info: