Categoria: I Seminário de Lexicologia Acessos: 2536

«A língua é um problema que não diz apenas a respeito dos governos,
é uma parcela do problema do património imaterial da humanidade»

PGL | AGLP - O professor Adriano Moreira, natural de Macedo, perto de Bragança, a cuja Biblioteca Municipal entregou este ano 10.000 exemplares do seu arquivo privado, é atualmente Presidente da Classe de Letras e Vice-Presidente da Academia das Ciências de Lisboa. Nesta qualidade, é o máximo responsável pelas decisões académicas portuguesas na questão da língua. Na entrevista respondeu as perguntas de Alberto Pombo, do Portal Galego da Língua, num intervalo do Seminário de Lexicologia da AGLP, realizado em Santiago de Compostela o dia 5 de outubro de 2009.

Para o professor, a questão da língua ultrapassa os Estados. A língua «é um problema que não diz apenas a respeito dos governos, é uma parcela do problema do património imaterial da humanidade».

Na conjugação entre «a palavra do poder e o poder da palavra», o que será presidente da Academia das Ciências de Lisboa em 2010 assinalou as duas dimensões em que cabe perspetivar a língua: por um lado a sociedade, por outro, os governos, correspondendo a cada um uma parcela de ação diferente.

Quanto à política de língua, o professor de origem transmontana salientou o papel da Universidade Aberta no plano internacional, e a função do Brasil como ator global. Afirmou que, neste momento, «cabe ao Brasil um papel extremamente importante na dinamização destes problemas», acreditando que terá um lugar no Conselho de Segurança da ONU.

Na questão do Vocabulário Ortográfico da Academia das Ciências de Lisboa, cuja edição será anunciada em breve, indicou que está prevista a elaboração de um Vocabulário Comum, depois de cada país ter editado os seus contributos, sendo que está em causa a intervenção dos governos nesta matéria.