Info Atualidade

Info Atualidade (414)

Junta da Galiza vai lançar o Observatório da Lusofonia Valentín Paz Andrade

Segundo informa o site institucional do governo galego, a Junta da Galiza vai lançar no próximo ano o Observatório da Lusofonia Valentín Paz Andrade. Servirá como instrumento de consenso para a adoção de medidas relacionadas com a Lusofonia na Galiza e como fórum permanente de diálogo entre as diferentes administrações públicas e outras organizações representativas com interesses na matéria.

Ler a notícia ao completo.

A Xunta vai lançar o Observatório da Lusofonia Valentín Paz Andrade no próximo ano, depois de concluídos todos os trâmites necessários e a correspondente audição e informação públicas. Criada com o objetivo de servir de instrumento de consenso para a adoção de medidas relacionadas com a lusofonia na Galiza, a nova entidade vai depender da Vice-Presidência segunda e da Conselharia da Presidência, Justiça e Desportos e terá a vice-presidência a cargo da Conselharia competente em Política Linguística.

Além da Xunta, na composição do Observatório estarão a Administração Geral do Estado Espanhol, a Administração Portuguesa e os observadores consultivos na Galiza da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), com o Consello da Cultura Galega, a Academia Galega da Língua Portuguesa e a Associação de Docentes de Português da Galiza. Também farão parte da entidade a AECT da Eurorregião, a Federação Galega de Municípios e Províncias (Fegamp), o Instituto Galego de Análise e Documentação Internacional, a Fundação Centro de Estudos Eurorrexionais Galicia – Norte de Portugal e outras organizações com interesses políticos, sociais, económicos e culturais na Eurorregião Galiza-Norte de Portugal.

Desde que a Espanha se tornou Observador Associado na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em julho de 2021, a Galiza tem trabalhado para desenvolver todas as potencialidades desta associação e assim evidenciar a relação especial da Galiza com o mundo lusófono, principal motor que impulsionou o Estado espanhol para aderir à CPLP.

Neste contexto, a Xunta trabalha há algum tempo na criação deste observatório especializado no conhecimento da Lusofonia e na interação com os países desta área. O objetivo é servir como um fórum de diálogo permanente entre a Galiza, as diferentes administrações públicas e outras organizações representativas de interesses neste campo.

Laços linguísticos, históricos e culturais

A lusofonia é constituída pelo conjunto dos países que têm o português como língua oficial, bem como pelas comunidades que partilham laços históricos e culturais. Em 1996, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa foi constituída com o compromisso de fortalecer os laços de solidariedade e cooperação que os unem, conjugando iniciativas para promover o desenvolvimento económico e social dos seus povos. A ACADEMIA GALEGA DA LÍNGUA PORTUGUESA ingressou na CPLP, com a categoria de Observador Consultivo, no dia 20 de julho de 2017, na XXII reunião ordinária do Conselho de Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, realizada em Brasília. A decisão adotada é duplamente significativa, por ser a primeira entidade da sociedade civil galega a participar oficialmente neste organismo, o que poderá vir a reforçar as posições pró-lusófonas na Galiza, e por tratar-se de uma Academia que defende a unidade da língua portuguesa, de que o galego faz parte.

Ler mais ...

Falecimento de Adriano Moreira, correspondente da AGLP

Com profundo pesar a Academia Galega da Língua Portuguesa tem de registar o falecimento no dia 23 de outubro de 2022 do académico e professor Adriano Moreira, académico correspondente da AGLP. 

O presidente e toda a comunidade académica transmite à família e seres queridos as suas mais profundas condolências.

Nova no jornal PÚBLICO

Página na Wikipédia

 FOTO: LUSA/MIGUEL A. LOPES

Ler mais ...

VISITA INSTITUCIONAL DA AGLP A LISBOA

Uma delegação da Academia Galega da Língua Portuguesa esteve em Lisboa o passado dia 12 de outubro, para manter encontros no âmbito da CPLP e contactos com instituições de Portugal.
O presidente, Rudesindo Soutelo, o Vice-Presidente, Ângelo Cristóvão, e a Delegada em Lisboa, Maria Dovigo, mantiveram reuniões na Missão do Brasil junto da CPLP. Com o Ministro-Conselheiro Pablo Duarte Cardoso e colaboradores trocaram ideias e informações sobre a situação do ensino da língua portuguesa na Galiza e em todo o território do Reino da Espanha, no quadro da adesão deste estado como observador associado da Comunidade.

Foram recebidos em audiência no Palácio Conde Penafiel, sede da CPLP, pelo Diretor Geral Armindo de Brito, e o Diretor de Ação Cultural Boaventura Ima-Panzo. Os observadores galegos apresentaram projetos a desenvolver nos próximos meses no quadro da sua participação na Comissão Temática de Promoção e Difusão da Lìngua Portuguesa e na Comissão de Cidades, Territórios e Ambiente, na procura do engajamento de projetos e a procura de sinergias institucionais.
Na sede da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) mantiveram uma reunião com o Secretário Geral, Vítor Ramalho, e o Diretor Cultural, Rui Lourido, por sua vez coordenador da Comissão Temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa. A participação galega em atividades municipais, com conteúdos culturais, e a cooperação internacional a vários níveis foram alguns dos temas tratados, bem como o fomento da participação de municípios da Galiza nesse organismo internacional.

Tiveram ainda uma visita à Academia das Ciências de Lisboa, de que Cristóvão faz parte como sócio correspondente, para a consulta e documentação na biblioteca, que amavelmente abriu as suas portas. Esta visita teve lugar na sequência da colaboração que a ACL mantém com a Academia Galega, com quem desenvolve um protocolo de colaboração desde 19 de março de 2010.

Ler mais ...

I Dia da AGLP

Após catorze anos de andadura, este ano vamos celebrar pela primeira vez o Dia de AGLP. 

 

Será o dia em que aconteçam as Tomadas de Posse dos/as novos/as académicos/as junto com apresentações de livros recentemente publicados pela comunidade académica da AGLP e outras atividades que realcem a vitalidade da nossa instituição. Além de mais, será um dia de convívio e partilha com a sociedade do trabalho, necessariamente silencioso, que desenvolvemos ao longo do ano.

Ficam todos/as convidados/as a assistir, presencialmente na nossa sede ou virtualmente nas redes sociais.

PROGRAMA:

10h - 12h. Tomadas de Posse:

-Pedro Casteleiro
-Maria Castelo
-Adela Figueroa Panisse
-Joana Magalhães

Discurso de recepção pelo académico Dr. Martinho Montero Santalha.

12h-12h15. Pausa para o café.

12h15-12h30. Comunicação: António Gil Hernández - Apontamentos a vocábulos galegos.

12h30-13h30. Apresentação de Livros:

-Adela Figueroa: Mátria. Poesia para a terra.
-Concha Rousia: O sapo e a margarida.
-Luis G. Blasco: UPG em Portugal.
-José M. Barbosa: Porque caiu a Galiza.
-José M. Barbosa: A evolução histórica dos limites da Galiza.
-Paulo Fernandes Mirás: Estado Demente Comrazão.

 

 

Ler mais ...

INGRESSO DE NOVAS ACADÉMICAS NA AGLP

Na sessão plenária da AGLP do sábado 25 de junho de 2022 foram apresentadas e aprovadas por maioria as seguintes candidatas, que ficam admitidas como membros da Academia Galega da Língua Portuguesa:


– Adela Clorinda Figueroa Panisse, como académica de número.

– Joana Magalhães, como académica de número.

– Maria José Castelo Lestom, como académica de número.

– Kathleen March, como académica correspondente.

 

Abaixo deixamos os currículos das novas académicas.

Ler mais ...

Reuniões ordinárias da AGLP e da Fundação AGLP

No sábado, 25 de junho de 2022, tiveram lugar, na Casa da Língua Comum de Santiago de Compostela, as reuniões da Fundação e Academia Galega da Língua Portuguesa.

Entre outros assuntos, as académicas e académicos foram informadas/os detalhadamente das atividades realizadas durante o ano em curso, com especial atenção às relações internacionais. Foram também apresentadas e aprovadas as contas da Fundação. Acordou-se igualmente um programa de atividades para os próximos meses, que inclui diversas publicações e atividades divulgativas.

Também foram aprovadas as candidaturas de novas membros da Academia.

 

Relatório de atividades do ano 2021 em anexo, abaixo.

 

Ler mais ...

Um selo postal e uma jornada de homenagens para lembrar o professor José Paz

No passado 23 de abril cumpriu-se um ano do passamento do professor e pedagogo José Paz, membro da AGLP. Coincidindo com o aniversário, foi organizada pela Associação Paz Tagore, Liceo de Ourense e Sociedade Filatélica Miño uma homenagem póstuma para recordar o valioso trabalho como divulgador cultural do professor Paz, considerado o maior especialista em Rabindranath Tagore e dono da maior biblioteca tagorista do mundo.

O programa incluiu uma oferta floral, uma exposição fotográfica de José Paz na Escola Santiniketan na Índia, fundada por Tagore, na qual o nosso amigo e companheiro colaborou durante longas estadias; a apresentação do site Paz Tagore e uma palestra de Ángela Zamora, ex-diretora da Escola Rabindranath Tagore em Madrid e Milagros Jiménez da Universidade de Sevilha.

No evento também foi apresentado um selo de correios com a imagem do professor Paz, uma iniciativa que permitirá que o saudoso professor continue a exercer o seu inestimável magistério ao longo do mundo.

MAIS INFORMAÇÃO:

https://sociedadmino.wordpress.com/2022/04/20/proximo-homenaje-a-jose-paz/

https://www.paztagore.com/articulo/noticias/faro-vigo-viaje-infinito-jose-paz/20220420101512000926.html

 

 

Ler mais ...

Apenas quatro vagas para língua portuguesa nas oposições de 2022

AGAL, DPG, AGLP e a Mesa consideram que o número é pouco ambicioso e não atende às expectativas criadas.

Entidades publicam um parecer comum sobre as quatro vagas de língua portuguesa da Oferta Pública de Emprego para as oposições de 2022.

Com 1171 vagas anunciadas, a publicação prévia do Governo inclui quatro vagas de língua portuguesa. A associação de professores DPG-Docentes de português na Galiza, junto com a AGAL, AGLP e a Mesa, considera que o número é pouco ambicioso e não atende às expectativas criadas.

Já em dezembro deste ano a DPG-Docentes de português na Galiza indicara num parecer que é preciso maior vontade política por parte do governo para o português avançar no ensino. Diferentes coletivos assinam agora um mesmo parecer relacionado com o avanço decidido dos compromissos políticos que a LEI PAZ-ANDRADE indica a respeito do ensino da língua de Camões.

A publicação em 14 de janeiro na mesa sectorial de ensino das vagas por especialidade da convocatória de oposições de 2022 inclui apenas quatro novas vagas para a especialidade de português no secundário o que desaponta as nossas organizações perante os tímidos avanços que estão a ser dados para a promoção da matéria de língua portuguesa.

Queremos mostrar a nossa contrariedade perante uma continuidade de políticas de “mínimo desenvolvimento” no que respeita à expansão da matéria nos centros e a oferta de vagas oficiais da  especialidade da língua portuguesa. Nesse sentido, já enviámos um escrito conjunto à Conselharia de Educação para a sua reconsideração da publicação final duma oferta de vagas oficial condizente com as necessidades atuais no ensino e as expectativas criadas na sociedade.  Um aumento significativo da oferta da matéria ao conjunto dos centros e a sua proteção legal é sentido já como uma urgência para não desaproveitar os consensos que a lei de vínculos com a lusofonia tem construído.

Queremos também lembrar que recentemente a Espanha no seu conjunto entrou para a CPLP fruto das gestões do governo galego, governo que mostrou uma firme vontade de querer continuar a liderar essa integração nos espaços de língua portuguesa. 

Nesse sentido, se o nosso governo não ocupar um lugar de destaque na promoção do ensino do português outras instituições poderão vir a ocupar esse lugar, o que deveria alarmar os nossos políticos depois de 8 anos sem desenvolver a LEI PAZ-ANDRADE com a convicção esperável.

Atualmente, apenas 12 docentes foram contratados inicialmente em setembro no secundário através da especialidade 590015:português para os mais de 75 centros de secundário onde já se leciona a matéria.

Verificamos como o grosso do ensino da língua portuguesa continua a ser realizado e mantido através do voluntarismo  de  docentes anterior à aprovação da lei, a quem agradecemos tanto esforço em prol da matéria, mas que ou não possuem ainda oficialmente a especialidade, nem carga horária disponível para aumentar a oferta a todos os níveis nem pelo geral usufruem de dispor de departamento próprio de português. 

O ensino de português no secundário continua sem a expansão nem a consolidação que corresponderia aos esforços realizados por docentes e centros de ensino e ao assentamento dos níveis, criação e manutenção de departamentos através da voluntariedade. 

Urge o governo apostar pelas condições laborais adequadas para a implementação da matéria através do aumento de funcionários contratados através da especialidade própria e também oferecer de maneira firme e decidida a matéria em todos os centros de ensino. 

Sem políticas de apoio decidido, e em função da atual voluntariedade, o grosso dos centros que oficialmente lecionam português continuarão não apenas a variar de ano para ano como só conseguirão com grandes custos oferecer a matéria em todos os níveis. 

Tal e como acontece com qualquer das outras línguas, a existência de docentes da especialidade unida à sua oferta regular em todos os níveis é a máxima garantia para a manutenção de todas as condições adequadas à consolidação da matéria. 

Além disso, o contraste com as vagas anunciadas doutras especialidades da mesma categoria (125 vagas inglês, 40 vagas francês) é totalmente desproporcionado, sendo português (4) a especialidade anunciada com o menor número de vagas finais. Apenas Latim (5) e Música (8) se aproximam a um número tão pequeno e a especialidade de Música, sendo a terceira com menos vagas, duplica a oferta de emprego de português.

Como a própria Conselharia ainda não fechou a possibilidade de algumas das 1.171 vagas convocadas serem suscetíveis de vir a mudar e o número total vir a ser acrescentado incluindo mais vagas que não tenham aparecido nesta previsão inicial de janeiro, requeremos da Conselharia  de Educação que considere a viabilidade de aumentar de maneira decidida as vagas da especialidade. Assim sendo solicitamos:

  • Que antes da publicação definitiva no DOG reconsidere a convocatória de Oferta de Emprego Público de 2022 incluindo um número de vagas (24) que multiplique por seis as atuais vagas de português convocadas.
  • Que estude oferecer no próximo ano escolar 2022-23 em pré-matricula a matéria em todos os centros visando recolher dados reais de procura para planificar uma adequada incorporação da matéria no conjunto do ensino secundário.

MAIS INFORMAÇÃO:

Documento do Parecer OPE-2022_imprensa

Notícia em NÓSDIARIO

Notícia no PGL.GAL

Notícia no site d'A MESA

 

Ler mais ...

Calendário 2022 da Pró-Academia

Lembrando o Prof. Carvalho Calero

A jeito de presente de reis, a Associação Pró Aglp vem de lançar um calendário homenagem ao Professor Carvalho Calero para 2022. O calendário está disponível para a descarga em dous formatos, Parede ou Mesa desde o blogue da Pró Aglp.

Feliz ano!

Ler mais ...

2ª edição de "Guerra de Grafias - Conflito de Elites" de Mário J. Herrero Valeiro

A ATRAVÉS EDITORA vem de publicar a segunda edição desta obra do nosso académico MÁRIO J. HERRERO VALEIRO

Com motivo deste lançamento, disponibilizamos, com autorização do autor, o prólogo "Da eterna queda dos insetos. Grafias, ou formigas, na Galiza (do capitalismo) terminal" que fecha esta segunda edição. [  Abaixo]


Que é o galego? Quem fala esta língua? Nos 70/90 conformaram-se os grupos que lutam pola hegemonia social e política na hora de responder estas peguntas: o reintegracionismo e o autonomismo. O livro de Mário J. Herrero Valeiro repassa o jogo glotopolítico que levou a que uma das duas estratégias, a autonomista, alcançasse o estatuto da oficialidade bem como as relações com os detentores do poder político.

Ainda que a sua fundamentação ideológica começa já a se desenvolver nas últimas décadas do século XIX e continua ao longo dos dous primeiros terços do XX, esta guerra de elites enfrenta desde a década de 1970 os defensores da independência glotopolítica do galego em relação ao português (autonomistas, diferencialistas, isolacionistas) e os defensores da unidade glotopolítica do galego-português (reintegracionistas, lusistas, regeneracionistas). A posição legitimada é desde 1982-83 a diferencialista, através da sua sanção legal polo governo autónomo galego (exercido na altura polo partido nacionalista espanhol Alianza Popular). No poderoso valor simbólico que representa a ortografia, este conflito exprime-se na oposição entre determinados traços gráficos e/ou morfológicos aos quais se lhes concede (ou antes, aos quais alguém “atribui”) um alto valor significativo, indéxico de ideologias e identidades e de distribuição do poder social: a utilização de Ñ frente à de NH, a de LL frente à de LH, -ción frente a -ção ou -çom, presença ou ausência de Ç ou SS, -ble ou -bel frente a -vel (amable/amábel /vs/ amável), assimilação ou não do artigo determinado às formas verbais finalizadas em -R ou -S, diferentes acentuações gráficas, etc. Ainda que o diferencialismo é também defendido e, o que entendemos como aspeto fundamental, sustentado polos setores nacionalistas espanhois que detêm e usufruem o poder institucional, estas tuas tendências – na atualidade e polo menos numa parte dos seus precedentes históricos – podem ser inseridas com maior ou menor clareza num nacionalismo galego em que se enfrentam grupos com ideologias linguísticas irredutíveis.

MAIS INFORMAÇÃO:

 

 

Ler mais ...
Assinar este feed RSS
×

Sign up to keep in touch!

Be the first to hear about special offers and exclusive deals from TechNews and our partners.

Check out our Privacy Policy & Terms of use
You can unsubscribe from email list at any time